quarta-feira, 3 de julho de 2013

Campeonato de River SUP no rio Iguaçu / Foz do Iguaçu

O meu colega, o fotógrafo Marcos Labanca postou / compartilhou em seu Facebook o anúncio da Iguaçu River Sup que nos dias 7 e 8 Foz do Iguaçu vai realizar o 1º Campeonato Brasileiro de River SUP. River Sup não quer dizer Sopa de Rio como me pareceu. É o 1º Campeonato  Brasileiro de Stand Up Paddle Fluvial. Vai ser no cânion do Rio Iguaçu, falando em cânion, você sabe onde fica: nas Cataratas do Iguaçu. Tem gente fazendo "Sup" ou melhor tem gente supando nos sete mares. Mas um campeonato de SUP em rio brasileiro parece ser a novidade. No site (facebook)  oficial do River Sup Brasil descobri que  em inglês remar em pé em pranchas de remar já ganhou até um verbo: to sup (supar). O novo verbo inglês já está em uso com gente dizendo "Where do you sup?" Outro exemplo "Is Foz do Iguaçu a good  place  to sup? E você tem prancha? Vai supar? Os prêmios passarão de R$ 15 mil. Ocuppy nossos rios!  Boa ideia para tentar no rio Miranda!
   

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

God's people

I have never seen a Catholic priest or nun in Miranda. Where are they? I have got to tell the pope. They should be doing something to stop this. There are so many new gospel churches materializing in the little town that I think something is wrong. My neighbors are good example of what is happening. The situation is weird and is similar to a collective brain washing operation.

These people live in Miranda – an old town (over 200 years, old for Brazil) existing on top of a fantastically beautiful land. These people know nothing about this land. In the meantime they spend their days and whole nights singing about Jerusalem, Israel, Hebron and Mount Zion. Why don’t they sing instead to the Bodoquena Mountains, the Miranda and Salobra Rivers, the Cerrado, the Carandá Palms and the flowering Paratudo forests?

Aren’t these also part of the creation of God? How can a people live on a land so long and konw so little or care to know so little about it? Not care about how to protect the locally available nature that God supposedely created? – The animals, the birds, the hyacinth macaws? How can they talk of the Lion of Judah when they know nothing about, kill or don’t care to kill the Jaguar of Miranda? That is why I tell you: there is no way the discipline of ecology can prosper and survive among these God’s People.

The message is that man is not part of nature – he (preferrably “he”) is a master over it; everything was made by God with man in mind. The fish, made for him to eat. Water was made for him to drink, wash himself, swim in, and in the case of rivers, for man to throw and dump garbage in them, sewer in them. The flowers of the earth were made for him to smell, for man to see and give glory to Him – God; mountains and valleys and rivers and seas were made for Him to entertain his eyes, to produce food for him. All the animals are food to man – only man matters. Animals like the jaguar can be killed if they are thought to be a threat for the chickens of man – since they are man’s food supply. A pentecostal, a Jehovah’s Witness, a Mormon, an Evangelical, a Lutheran, a Catholic can so easily talk – in these latitudes – of how he killed a jaguar, an opossum, all for the same reason – opening up new spaces for man, his faith anmd his food supply. How many animals of Brazil are condemned because of man’s domesticate animals for food supply!

Besides living on the land without knowing anything about it or caring to – they spend days – like my landlady, dreaming of and singing about getting the hell out of here as quick as possible. “A hora está chegando para o povo de Deus ir embora” says the song I hear 30 times a day and which means “the time is coming for God’s Peope to go away”. Yes they are waiting and awaiting for the glorious day when they will go. Where to? They don’t know. It may be Jerusalem, not the real Jerusalem where all these mess began and where, even today, people are burned aboard buses when they thought they were going to work. There is another Jerusalem and they are going there. They just have to keep on singing praises to the Lord.

He, the Lord, made everything there is. He finished his work and is now resting. He does nothing else because all is done. His most important business is to listen to the praises of his People left in Miranda, Aquidauana, the Bodoquena Mountais, the Maracaju and Piraputanga Ranges. That is the mission of God's People in the Pantanal.

I have known dictators like Alfredo Stroessner (Paraguay), Idi Amin Dada (Uganda) who not only welcomed praises but also rewarded those who sang praises to them with jobs, political positions, money, land and millions of poor people to serve them. Should I be led to think that God is something like a dictator from Uganda, Paraguay, or any of thousands of Brazilian mayors who love puxa-sacos (ass kissers) and who reward them accordingly? Are all these people trying to say that God is a corrupt leader who loves to be praised and rewards the blind praisers while boycotting the neutrals and shooting down opponents?

God, I would hope, has got to be bigger than that. Must be so big as to live so high up that must not care whether you sing praises, curses or scorn him. He, God, must even laugh – like I do, when he hears people saying or suggesting that he is a psychopath that feeds on praises, needs ego massages, every nanosecond through eons and eons forever and ever. What a pitiful situation for us – I mean, God and us! Amen!

Miranda, Feb,1993

God's people

I have never seen a Catholic priest or nun in Miranda. Where are they? I have got to tell the pope. They should be doing something to stop this. There are so many new gospel churches materializing in the little town that I think something is wrong. My neighbors are good example of what is happening. The situation is weird and is similar to a collective brain washing operation.

These people live in Miranda – an old town (over 200 years, old for Brazil) existing on top of a fantastically beautiful land. These people know nothing about this land. In the meantime they spend their days and whole nights singing about Jerusalem, Israel, Hebron and Mount Zion. Why don’t they sing instead to the Bodoquena Mountains, the Miranda and Salobra Rivers, the Cerrado, the Carandá Palms and the flowering Paratudo forests?

Aren’t these also part of the creation of God? How can a people live on a land so long and konw so little or care to know so little about it? Not care about how to protect the locally available nature that God supposedely created? – The animals, the birds, the hyacinth macaws? How can they talk of the Lion of Judah when they know nothing about, kill or don’t care to kill the Jaguar of Miranda? That is why I tell you: there is no way the discipline of ecology can prosper and survive among these God’s People.

The message is that man is not part of nature – he (preferrably “he”) is a master over it; everything was made by God with man in mind. The fish, made for him to eat. Water was made for him to drink, wash himself, swim in, and in the case of rivers, for man to throw and dump garbage in them, sewer in them. The flowers of the earth were made for him to smell, for man to see and give glory to Him – God; mountains and valleys and rivers and seas were made for Him to entertain his eyes, to produce food for him. All the animals are food to man – only man matters. Animals like the jaguar can be killed if they are thought to be a threat for the chickens of man – since they are man’s food supply. A pentecostal, a Jehovah’s Witness, a Mormon, an Evangelical, a Lutheran, a Catholic can so easily talk – in these latitudes – of how he killed a jaguar, an opossum, all for the same reason – opening up new spaces for man, his faith anmd his food supply. How many animals of Brazil are condemned because of man’s domesticate animals for food supply!

Besides living on the land without knowing anything about it or caring to – they spend days – like my landlady, dreaming of and singing about getting the hell out of here as quick as possible. “A hora está chegando para o povo de Deus ir embora” says the song I hear 30 times a day and which means “the time is coming for God’s Peope to go away”. Yes they are waiting and awaiting for the glorious day when they will go. Where to? They don’t know. It may be Jerusalem, not the real Jerusalem where all these mess began and where, even today, people are burned aboard buses when they thought they were going to work. There is another Jerusalem and they are going there. They just have to keep on singing praises to the Lord.

He, the Lord, made everything there is. He finished his work and is now resting. He does nothing else because all is done. His most important business is to listen to the praises of his People left in Miranda, Aquidauana, the Bodoquena Mountais, the Maracaju and Piraputanga Ranges. That is the mission of God's People in the Pantanal.

I have known dictators like Alfredo Stroessner (Paraguay), Idi Amin Dada (Uganda) who not only welcomed praises but also rewarded those who sang praises to them with jobs, political positions, money, land and millions of poor people to serve them. Should I be led to think that God is something like a dictator from Uganda, Paraguay, or any of thousands of Brazilian mayors who love puxa-sacos (ass kissers) and who reward them accordingly? Are all these people trying to say that God is a corrupt leader who loves to be praised and rewards the blind praisers while boycotting the neutrals and shooting down opponents?

God, I would hope, has got to be bigger than that. Must be so big as to live so high up that must not care whether you sing praises, curses or scorn him. He, God, must even laugh – like I do, when he hears people saying or suggesting that he is a psychopath that feeds on praises, needs ego massages, every nanosecond through eons and eons forever and ever. What a pitiful situation for us – I mean, God and us! Amen!

Miranda, Feb,1993

Pantanal: a tough loving place

Esse texto foi escrito em inglês. Assim que for possível, eu o traduzo!

Now I know why the Pantanal has been preserved after 200 years of Western-style cattle rasing and exploitation like fishing, hunting and so on. Mosquitoes. It is hell on earth. This is my first winter here. I had never expected that it could be so wet, that it could rain so much, that there were so many species of mosquitoes, that life of pantaneiros could be made so miserable. In the subject of mosquitoes, there is one that is all white, fast and looks like a white shadow and worse, it is not a friend of diplomacy. When it stings, you feel. There is a variety that is heavier than the shadow and that swarms into people's skins by the hundreds.

Last January I walked 12 kilometers on the Pantaneira Road, with, anytime, 400 of them following me, landing over me, buzzing around my head. There were so many of them that my nose started to itch and I ended up developing a sneezing crisis. One day, I had prepared lunch for four of my mountain bike tourists from Japan. Lunch, I phantasized, had to be by the paradise-like Abrobral River area where I once spend one whole Pantanal summer camping out. It had to be perfect and unforgettable. Unforgettable it was. No one ate. No mouth could be opened. No one dared to think of sitting down. I lost US$ 15 per person right there and later on I had to give money back to my hungry tourists. That is called money back guarantee.

There are all sizes of mosquitoes too. There is a huge one, nealy half an inch long. Good biter, too. But the one that really irritates me the most is a tiny one that has developped the ability to fly without leaving the place. Flies without going anywhere. When you look at it, it is there flying with a buzz. Then you think it is easy to just slap it down and off the area. A mistake! They react and fly sideways, up or down while keeping the wise distance of always being about a foot from you. I think the world military would love to have an aircraft or flying object like that. It would be able to fly and hover over enemy position, bombing the enemy and defending itself by just flying-sliding sideways. Besides causing material damage to to enemy positions, it would leave the enemy forever traumatized, and sick of war.
You have got to love the Pantanal to stay here, live here. This is tough land and I am glad I have had this privilege. Even though I have become forever traumatized by the white shadow mosquito and his sideway-flier-slider friend.

Written in Miranda, March 14, 1996
Somewhere down the Avenida J.Pedro Pedrosian

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Paraguai 200 Anos! Mapa antigo: época em que rio Miranda era o limite norte do país vizinho

O Paraguai vai completar 200 anos nos próximos dias 14 e 15 de maio. Para marcar a data, a Editorial Tiempo de Historia, lançou uma edição limitada de 500 exemplares do livro Viaje al Paraguay en los años 1818 a 1226 escrito pelo médico e naturalista suíco J.R.Eengger que percorreu o Paraguai um pouco depois da revolução que levou à independência e à ditadura de José Gaspar Rodriguez de Francia. O livro foi recebido com crítica positiva pois ele abre uma pequena janela para a vida cotidiana, relações sociais, natureza, topografia, limites territoriais e informações que se perderam. O livro traz um mapa do Paraguai da época em que o limite norte do País vizinho era o rio Mbotetey (Mbotetei), o atual rio Miranda no Mato Grosso (hoje) do Sul que antes de ser chamado Miranda foi chmado também de rio Mondego pelos portugueses devido aos problemas de geopolítica da época. Outros dados reveladores incluem informações sobre a escravidão no Paraguai. O Paraguai teve escravos sim. O que o Paraguai nunca fez foi importar escravos da África porém empreendedores locais compravam escravos em Buenoas Aires. Segundo Renggen a situação do escravo no Paraguai era melhor que a dos escravos da Argentina e do Brasil. Não havia "pelourinho" e o escravo podia ter até regalias impensáveis em outras "escravolândias". Ranggen lança luz também sobre a escravidão na Argentina. Buenos Aires já teve tantos escravos negros que a população negra era maior que a dos europeus. Para se livrar da população negra, os negros portenhos eram alistados no serviço militar para fazerem parte de uma divisão de infantaria que se deslocava ao Alto Peru. Depois de oito anos de serviço eles ganhariam a liberdade. Mas, infelizmente, poucos voltaram, a maioria da população negra de Buenos Aires foi destruida pelo frio nos Andes.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

De bicicleta à Morraria do Sul (IV) Os Cadivéus ou Kadiwéus (II)

Mais sobre os Kadiwéu (Parte II)

Do alto da serra da Bodoquena olhando para a direção dos Campos dos Índios se podem ver vários núcleos de habitação. Algumas casas isoladas aqui e lá – isso coma ajuda de um bom par de binóculos. São sedes de fazendas. Os Kadiwéus arrendam erras para fazendeiros brancos. Na data em que escrevo este relato há 104 propriedades brancas lá dentro que criam u total de 60 mil cabeças de gado. Segundo notícias que levantei em Campo Grande – a cidade morena – e em jornais do Estado do Mato Grosso do Sul, os Kadiwéus recebiam R$ 150 mil por semestre pelo arrendamento das terras. Na época, Kadiwéus e fazendeiros travavam uma guerra com a FUNAI. O arrendamento de terras indígenas para não-índios é inconstitucional segundo a Constituição Brasileira de 1988. Como as coisas estão, o Ministério Público esta para entrar com pedido de despejo dos fazendeiros e seu gado a qualquer momento. É um problema sério. Para tentar resolver o impasse, índios e fazendeiros já tiveram inúmeras reuniões em Campo Grande.

As duas partes chegaram a um acordo para evitar que o Poder Público passe a expulsar o gado das terras indígenas . A palavra que escolheram é a mesma utilizada hoje no Rio de Janeiro, São Paulo, Nova York e Paris: parceria. Kadiwéus e fazendeiros aceitam uma parceria por meio de suas organizações de classe respectivas. O fazendeiro branco entregaria o gado aos kadiwéus e sairiam das terras. Os Kadiwéus criariam o gado e receberiam 30% do valor do gado comercializado. O fazendeiro ficaria com 70% da operação.

A Associação dos Criadores do Vale do Aquidaban e Nabilqeue (ACRIVAN) é a organização branca aceita. A Associação das Comuidades Idígenas Kadiwéu (ACIK) também. Mas a coisa emperrou do lado da FUNAI. A saída é vista por todos os lados . Há grandes esperanças que a situação seja normalizada ainda em 1996.


A relação Kadiwéu com gado e cavalos tem o reconhecimento histórico dos portugueses e dos espanhóis mais tarde do Brasil e do Paraguai. A partir do século XVI espanhóis e portugueses começaram a trilhar a Planície Pantaneira. Eles procuravam o caminho mais fácil para as montanhas de prata do Per. Desde esse momento, os guaicurus nome genérico com o qual os kadiwéus ou guaicurus passaram à historia, fizeram guerra aos dois grupos. Foi um desfile de gente. Espanhóis, portugueses, monções paulistas (bandeiras fluviais), paraguaios, jesuítas e brasileiros. Aleixo Garcia foi provavelmente a primeira vítima da guerra decretada pelos guaicurús e seus aliados os paiaguás. Toda a expedição teria morrido em local que aponta para a Boca do Rio Mbotetei – hoje rio Miranda.

Os guaicurús eram ótimos no manejo do cavalo. “Índio e cavalo formavam uma única criatura. Completavam-se, entendiam-se e até conversavam num código de assovios que o homem inventara e o animal logo aprendera”, escreveu M. Cavalcanti Proença, historiador. Antes do cavalo, o Kadiwéu ou guaicuru era caçador, colhetador de frutos. Após o cavalo, passou a ser pastor e criador de gado nas planícies do Nabileque. Os registros informam que o primeiro roubo de cavalo praticado pelos Kadiwéus contra os europeus aconteceu em 1672. O cavalo foi uma poderosa ferramenta nas mãos kadiwèus. Eles o utilizavam na defesa, na vigilância e no reconhecimento de seu território. Sobre a habilidade deles com os cavalos escreveu o jesuíta espanhol José Sanchez Labrador: “ ... em seus cavalos não gastam selas ... montam em pelo e paa isso de um salto estão em cima deles”. Com o cavalo em mãos, o próximo passo foi passar para a aquisição de gado bovino. A tribo ficara mais forte sob esse novo status. “Cono criadores de gado os Kadiweus tinham mais tempo para pensar em política e realizar façanhas” - escreveu Herbert Baldus na introdução do livro de Boggiani.


Entre as façanhas estavam mais guerras contra os inimigos. Quem quer que falasse espanhol, português ou guarani eram inimigos. Enquanto crescia o rebanho de quinos, aumentava também o número de bovinos. Uma verdadeira criação. Ricardo Franco de Almeida Serra, o terceiro comandante do Forte Coimbra, mencionou em relatório enviado a Cuiabá que o número de cavalos sob o poder dos Guaicurús passariam de oito mil.

Outras façanhas dos Kadiwéus incluíam a invasão de aldeias e assentamentos vizinhos de outras etnias. Delas roubavam crianças, mulheres e prisioneiros que RAM levados como escravos. Esses pertenciam aos povos guaná, bororó, chiquito, caiapó, caiuaba e entre eles alguns negros e até espanhóis. Todos os autres se apressam em dizer que os escravos dos Kadiwéus não sofriam. Afirmam que os Kadiwéus não levantavam a voz cntra os escravos e nem assumiam uma posição de comando. Guido Boggiani conta que em uma noite de frio, na aldeia, durante sua permanência, viu um senhor Kadiwéu procurar ua manta que já estava sendo usada por um escravo Chamacoco. Ao ver que o escravo tinha a manta, deu meia volta e não disse nada além de ter agüentado o frio. Os escravos era usados na agricultura – que era a parte mais sedentária da vida.

Não demorou e as duas potências européias queriam derrotar os Kadiwéus ou, caso fosse impossível, tê-los como aliados. No caso dos Kadiwéus, Portugal venceu apesar do grande número de portugueses mortos durante os inúmeros encontros desastrosos.
O tenente Francisco Rodrigues, segundo comandante do Forte Coimbra e futuro fundador do Forte de Miranda**, escreveu: “... avaliam-se os portugueses mortos por eles em mais de 4.000”.

Tudo isso foi no passado. Há muito tempo. Hoje os Kadiwéus já não matam ninguém. O Forte Coimbra já não é mais um forte no sentido de estar ali para disparar tiros em navios estrangeiros. Os Kadiwús criam gado. Possuem Toyotas Bandeirantes e Atenas parabólicas. Tudo mudou. Muitas das tribos mencionadas por Boggiani não existem mais. Sumiram. Eles ainda pintam. Mas ainda fazem todas aquelas obras que Boggiani narra e que ainda são guardadas no Museu de Assunção? Ou como foram mostradas no auditório do Banco do Brasil em Campo Grande? Tudo mudou menos a serra – que pode estar mais devastada, ter mais crateras feitas por maquinas ou estar pelada pela ação de agricultores. Como estarão os Kadiwéus hoje?

O vento da manhã é fresco e reconfortante. Aqui em cima é um bom local para meditar. Penso nos Kadiweus e só há uma maneira de descobrir como estão hoje. Ainda existe o Nalique? E Etókija? Ainda pintam os rostos com aquelas figuras geométricas complicadas? Utilizam o urucum ou o jenipapo como fonte de tinta? Ainda raspam todos os pelos do corpo inclusive as sobrancelhas, as pestanas e os cílios? Disse Boggiani que eles lhe contaram que raspavam pestanas e cílios por dois motivos: melhorava visão. E, segundo por que não eram cavalos para ter pelos longos e nem eram emas para terem longos cílios. Para descobrir estes e ouros detalhes voltarei um dia, e não muito distante. Trarei livros e fotos dos Kadiwéus vistos por Boggiani – tentarei fazê-los falar sobre eles mesmos. ***
Não é para o turismo. Incluir aldeias indígenas em roteiros turísticos é contra a lei. Pelo menos neste sentido a FUNAI está certa. Do jeito que o turismo é feito, só posso pensar na catástrofe. Grupos de “turistas apressados” olhando e xingando os índios, dando palpites e fazendo comentários idiotas. Não é um encontro de culturas. É uma colisão cultural.

Escutei que recentemente uma equipe da televisão coreana queria fazer uma vista para filmagem na Grande Planície. A idéia era filmar os Kadiwéus. A FUNAI dificultou. Exigiu muitas coisas – entre elas um motor de popa e uma contribuição em dinheiro. A Agência de Turismo que organizava a viagem não gostou. E eu me perguntei: para que um canal de televisão coreano quer filmar os Kadiwéus? Já imaginou o desencontro? O canal não quer ver os índios vivendo como estão. Querem vê-los pelados, pintados. Presenciei certa vez um maquiador italiano pintando uma índia na Amazônia segundo o que ele achava que uma índia daquela tribo, deveria parecer quando pintada. A cor desses índios era o vermelho. Maso maquiador não aceitou. No filme eles apareceram pintados de preto com amarelo, com pontos brancos e alguns verdes. Foi revoltante. Pobres telespectadores! Esta cena aconteceu na Amazônia Colombiana, na redondeza de Letícia e os povos em questão eram os Yáguas.

Desço do topo da serra com tudo decidido. Farei duas expedições à terra dos Kadiwéus. Uma de bicicleta retomando o caminho a partir daqui, da Morraria do Sul. Outra de caiaque partindo de Forte Olimpo, Paaguai até a desembocadura do rio Nabileque. O plano é, a partir daí, refazer o trajeto de Guido Boggiani. Desta vez, o trecho terrestre será feito em lombo de boi. Se houver algum boi que me permita montar nele.



Notas:
*Jose Sanchez Labrador, jesuíta espanhol autor do livro – El Paraguay Católico, fundou uma missão na boca do rio Ipané

** O Forte Miranda é um assunto que merece atenção. Provavelmente construído em material não durável, desapareceu sem deixar qualquer pista. Embora se fale muito dele em círculos do eixo Miranda – Aquidauana. A origem da cidade de Miranda vem dele.


*** Não cortei esta última parte para não censurar a mim mesmo. Isso foi algo que disse há quase 15 anos. Voltarei à Morraria para ver como está. Mas para apreciar e desfrutar o que há. Viver e valorizar o dia, o momento!

De bicicleta à Morraria do Sul (III) Os Cadivéus ou Kadiwéus (I)

Estava confirmada minha origem terrestre e aparentemente inofensiva.

– “O hotel está fechado, mas eu sou hóspede lá e você pode dormir na cama desocupada. Amanhã, você acerta com Sinésio”! – sugeriu resolvendo o problema um dos senhores do bar. Ele mora no distrito há mais de 30 anos. Conversamos algum tempo. Eu sentado em uma das quatro camas da Pensão do Senhor Sinésio que também é bar, restaurante, mercearia e panificadora. O pão é feito à moda antiga num forno de barro no quintal.
Pela manhã não havia disposição de voltar de bicicleta. Todos os músculos doíam. O nariz se deleitava em ingerir aquele ar puro livre de poluição e partículas irritantes à minha sinusite. O sol esquentava pouco a pouco. Mas era acompanhado por uma brisa acolhedora. Vale eu a pena ter vindo. O pessoal da pensão se interessa pela minha estória. Depois do café da manhã servido numa área coberta na parte de traz da casa foi hora de explora a região. Começando pelo jardim da esposa do senhor Sinésio. Hortênsias, outras flores para mim desconhecidas e uns hibiscus híbridos com uma cor de vingo misturado com amarelo. O filho da casa, Ricardo – será mesmo Ricardo? Me acompanhou até o topo da Morraria. A visão é grande, imensa, inesperada. Lá em baixo uma vasta extensão plana que se perde no horizonte em direção ao rio Paraguai, ao país do mesmo nome, ao Chaco, ao Gran Chaco no Paraguai e na Bolívia. É possível ver centenas de quilômetros de uma só vez. Muita coisa aconteceu lá em baixo.

Hoje a terra lá em baixo é uma reserva indigena. São 538 mil hectares de terra pertencentes ao Kadiweus, ou Cadivéus – também conhecidos como guaicurus e até por mbayá. Na toponímia popular local, o grande espaço é chamado de Campo dos Índios. É um daqueles lugares que aceitam nomes mágicos, na fronteira do místico, do poético, do sonho. Para mim, o nome apropriado seria Campos do senhor – Fields of the Lord - como no filme. A maior parte da área que se vê desde a montanha pertence ao Município de Porto Murtinho. A área do Pantanal que se encontra entre a Serra e o Rio é conhecida como Nabileque. É lá onde se encontra o Forte Coimbra construído pelos portugueses para defender a área dos espanhóis.

– “Quatro dias de cavalo você chega ao rio Paraguai” – disse o filo de Seu Sinésio. Em épocas boas do ano, ir lá só de Toyota Bandeirante 4X4. “Na cheia é melhor esquecer – nada vai lá” completou o rapaz.

Veio à minha mente um nome: Guido Boggiani, um italiano. Há 104 anos, Boggiani percorrera a região do Nabileque. Partiu de Puerto Pacheco, Paraguai, à pé até o Forte Olimpo também Paraguai. Lá, ele seus ajudantes embarcaram em alguns “catchivéus” (Canoas) e remaram até a Boca do Rio Nabileque. Subiram o rio até um acampamento Kadiweu. De lá, conta Giovanni em livro deixado escrito, embarcou numa viagem a lombo de boi até a capital do Nabileque – segundo ele – chamada Nalique. Onde ficará hoje a Nalique?

O turista apressado hodierno não tem tempo nem de imaginar o que aconteceu lá em baixo. Muita gente morreu. Espanhóis, kadiwéus, portgueses e outros povos indígenas ou filhos da terra. Nos três meses em que Boggiani passou com os Kadiwéus, ele produziu os documentos mais valiosos sobre aqueles habitantes do Pantanal brasileiro e do Chaco paraguaio-boliviano. O amor dele pela descrição da fauna, flora e da paisagem – essa que se vê daqui de cima – é óbvio no texto. Ele se impressiona – como hoje eu também – com a cor azulada da Serra da Bodoquena vista à distância.


Graças a Boggiani (< foto)ainda temos hoje idéia das várias manifestações culturais artísticas dos Kadiweus praticadas naqueles dias e reproduzidas por Boggiani. Eram pequenas esculturas que ornam objetos pessoais como cachimbos, as espátulas de madeiras usadas para tecer, pequenos pentes de chifre, decoração de pequenas contas coloridas utilizadas em cintos e nos sacos de provisões. Ele narra a técnica de tecelagem e impressão utilizando um barbante. Graças a ele temos notícias da existência de marcas de posses que os Kadiweus imprimiam sobre toda espécie de material desde objetos, ao gado, aos cavalos e até as mulheres, sobre os postes totêmicos e em bandeiras com a insígnia de caciques.

O propósito da missão de Boggiani entre os Kadiweus era comercial. Ele estava lá para comprar coros de cervos (veados). A moeda de pagamento – à moda de outros contatos entre europeus e índios – era a pinga, a rapadura e os tecidos que ele portava em sua carga.

Para quem quer comprar coro de cervos, ele escolheu uma boa hora e uma boa região. A região que gosto de chamar de “Campos do Senhor” era chamada na época de “ região da grande caçada ao cervo ou segundo o mapa de Giovanni: “reggione delle grande caccie al cervo”. Uma vez por ano, os índios da Planície do Nabileque partiam na Grande Caçada – todos participavam, crianças, famílias e idosos. Como comerciante ele se deu mal. O resultado da expedição em liras italianas não foi muito bom. Ao sair do Nalique, do Nabileque, das “Montanhas de Miranda”, ele se considerou bem pago com a experiência cultural que leva, com as aquarelas pintadas, com desenhos feitos à pressa e com o seu diário. Seus escritos são hoje parte do acervo literário e cultural dos Kadiwéus ou guaicurús ou ainda dos “Índios Cavaleiros” - como também são chamados até hoje.

Para mi tudo isso aqui é uma Grande Fronteira. Assim batizei a excursão número dois de minha (ex) futura firma. Uma fronteira entre Cerrado e Mata Atlântica, Serra da Bodoquena e Pantanal. Fronteira no tempo. Passado e presente diante de mim. Fronteira de decisões políticas – IBAMA, FUNAI, INCRA, prefeituras e municípios. De braços abertos, como se fosse um grande urubu, o vento vindo de frente e subindo a montanha, parecia estar me elevando, é uma térmica ascendente e boa.

– Vai voar? Me assusta o Ricardo perguntando.
– Um dia! E você vem comigo
– Aqui deve ser bom para voar de asa delta – sugere.
– Não asa delta é para loucos. Aqui é um bom lugar para voar de para pente.

Continua...
Veja esta matéria no Mnd diplomatique sobre Nalique